quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

NOTÍCIA DO DIÁRIO DE PERNAMBUCO

Reunião, nesta tarde, discute novas ações para presídios do estado
Encontro acontece entre o novo secretário-executivo de Ressocialização, Eden Vespaziano, o anterior, Humbero Inojosa, e Pedro Eurico

Raphael Guerra - Diario de Pernambuco

Publicação: 08/01/2015 14:15 Atualização: 08/01/2015 15:19


Mesmo sem assumir oficialmente a Secretaria-Executiva de Ressocialização de Pernambuco, o coronel Eden Vespaziano já deve definir na tarde desta quinta-feira (8) as primeiras medidas adotadas para tentar minimizar a sequência de problemas envolvendo os detentos do Complexo Prisional do Curado (antigo Aníbal Bruno) e em outros presídios do estado. O coronel terá reunião com o ex-gestor da pasta, Humbero Inojosa, e com o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico.

Vespaziano afirmou que algumas dessas medidas em discussão podem ser anunciadas na manhã desta sexta-feira (9), durante a posse dele, na sede da Secretaria-Executiva de Ressocialização. Até lá, ele não falará com a imprensa sobre o assunto.

Nessa quarta-feira, após o pedido de exoneração de Inojosa, Pedro Eurico concedeu entrevista coletiva. Ele reconheceu a crise no sistema penitenciário pernambucano e prometeu medidas emergenciais para tentar frear a entrada de armas e drogas no Complexo Prisional do Curado. 

Novas câmeras de monitoramento, ampliação no tamanho dos muros dos três presídios que compõem o complexo, revistas periódicas nas unidades, trabalho do serviço de inteligência para identificar irregularidades e a restrição da quantidade de produtos que podem ser levados por familiares aos presos nos dias de visita. Essas são as principais previstas, segundo Eurico. 

“Vamos acabar com a circulação de armas brancas”, disse, em referência à denúncia da TV Globo, que flagrou nesta semana presos circulando livremente com facões. Em revista, ontem, mais de 50 foram apreendidos. O secretário ressaltou que esse não foi o motivo da saída de Inojosa. “Não há denhuma denúncia contra ele. A saída foi uma decisão pessoal, voluntária dele. Recebi um telefonema com a decisão e uma carta.” 

Diante da sequência de irregularidades no Complexo do Curado, com tentativas de fugas e até rebelião na noite de Natal, o Sindicato dos Agentes Penitenciários do estado se posicionou por nota. “O estado não vem cumprindo com o seu papel, que é assegurar a ordem pública e garantir a segurança para a sociedade. Hoje temos uma média de 25 presos para um agente.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário