NOVO TELEFONE 3019-6726/3019-6927

RECESSO FINAL DE ANO

O SINDASP informa o recesso de final de ano, será 24/12/2014 à 04/01/2014.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Fenaspen define estratégias e metas para 2015 durante Congresso em Brasília

Diretores  do Sindicato dos Agentes e Servidores do Sistema Penitenciário do Estado de Pernambuco (SINDASP-PE) e representantes da base participaram na última semana do Congresso da Federação Nacional dos Servidores Penitenciários (FENASPEN). O evento que aconteceu em Brasília contou com a presença de representantes de 12 estados da federação e dois justificaram a ausência.

CONGRESSO FENASPEN - Fotografia SIFUSPESP DIVULGACAO


Durante a reunião foi apresentada a pauta, a qual foi debatida entre os participantes e definidas prioridades, entre elas, a PEC 308/10 (Policia Penal); Regulamentação da profissão de agente penitenciário, aposentadoria especial, adicional noturno e alteração na LEP.

REUNIÃO – Diante da definição das prioridades da pauta, ficou marcada uma nova reunião entre os 17 estados que fazem parte hoje da FENASPEN, para criação de comissões que irão acompanhar cada uma das reivindicações. “Esses projetos já se encontram tramitando no congresso Nacional e essas comissões terão a responsabilidade de acompanhar seus respectivos andamentos”, explicou a agente penitenciária Jacira Maria da Costa, que informou ainda que o próximo encontro em Brasília pra definir as comissões será de 24 a 26 de fevereiro.

Segundo a diretora parlamentar do SINDSPEN-MT, ainda, ficou acertado entre os participantes do congresso, que os representantes irão estudar a minuta da regulamentação da profissão para fazer apontamentos no próximo encontro. “Esses apontamentos deverão ser encaminhados ao DEPEN como sugestão de alteração na profissão”, explicou ela.

Para a Diretoria do SINDASP-PE, o congresso foi muito importante para a categoria que traçou novos objetivos e metas para esse ano de 2015. “Foi excelente a  participação de todos, já que pudemos colocar pontos que consideramos importante para a categoria”, avaliou Márcia.

ESTADOS – Os estados que marcaram presença nesse primeiro congresso da FENASPEN, em Brasília, foram: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Pernambuco, Bahia, Goiás, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Piauí, São Paulo, Minas Gerais e Espirito Santo.

CENTRAIS DÃO O APOIO A CATEGORIA DE AGENTES PENITENCIÁRIOS E ENCAMINHA NOTA AO SINDASP-PE




DIÁRIAS DE R$ 180,00 DE CARNAVAL. OS SERVIDORES DA SECRETARIA EXECUTIVA DE RESSOCIALIZAÇÃO FORAM CONTEMPLADOS


SINDASP EM DEFESA DA CATEGORIA E DOS CONCURSADOS DO INTERIOR NA REDE GLOBO - TV ASA BRANCA

Aprovados em concurso de agentes penitenciários esperam há seis anos para ser chamados e SINDASP esteve presente na cidade de Caruaru -PE.




domingo, 25 de janeiro de 2015

ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA O DIA 29 DE JANEIRO DE 2015

COMPAREÇAM A ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ASSUNTOS DE CONDIÇÕES DE TRABALHO, ESTRUTURAIS, FINANCEIROS E SALARIAIS PARA O ANO DE 2015. ESTA ASSEMBLÉIA GERAL PODE DELIBERAR E DECIDIR PELA PAUTA E MOBILIZAÇÕES. ESTÁ ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA SERÁ NA RUA DO RIACHUELO , Nº 105,  NO AUDITÓRIO DO EDIFÍCIO CÍRCULO CATÓLICO, 10º ANDAR, ÁS 17:00 HORAS, COM OS SÓCIOS PRESENTES, NO DIA 29 DE JANEIRO DE 2015 (QUINTA-FEIRA).



sábado, 24 de janeiro de 2015

VICE -PRESIDENTE DO SINDASP APOIANDO A MOBILIZAÇÃO DOS CONCURSADOS NO HEMOPE E EM FRENTE A SERES

O Vice -presidente João Carvalho esteve apoiando a mobilização dos concursados no Hemope e em frente a Secretaria Executiva de Ressocialização -SERES, nesta sexta-feira.

O apoio deste grupo  de concursados é para convocação dos concursados do interior, pois já estão para ser chamados 132 (cento e trinta e dois) para a Região Metropolitana.






NOTÍCIA DO DIÁRIO DE PERNAMBUCO - BLOG DA SEGURANÇA


Dois revólveres encontrados na Barreto Campelo

Em uma varredura realizada por policiais militares e agentes penitenciários na Penitenciária Professor Barreto Campelo, em Itamaracá, após a rebelião da última terça-feira dois revólveres foram encontrados no local. Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários de Pernambuco, João Carvalho, as duas armas estavam escondidas em um buraco perto do pavilhão B da unidade prisional.




































Foto: Sindasp-PE/Divulgação
Foto: Sindasp-PE/Divulgação
Além das duas armas de fogo, as munições também foram encontradas durante a revista na penitenciária. Na última terça-feira, cerca de 120 detentos subiram no telhado do presídio e levantaram faixas e cartazes pedindo agilidade nos julgamentos dos processos.
Os detentos estavam com caixa de som e microfone, além de estarem armados com pedaços de madeira, porretes e facões. O promotor da Vara de Execuções Penais de Pernambuco Marcellus Ugiette foi para a penitenciária e conversou com os presos, no final do dia o movimento dos presos foi encerrado.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

NOTÍCIA NO DIÁRIO DE PERNAMBUCO

Dois revólveres encontrados na Penitenciária Barreto Campelo

Publicação: 23/01/2015 16:40 Atualização:


Em uma varredura realizada por policiais militares e agentes penitenciários na Penitenciária Professor Barreto Campelo, em Itamaracá, após a rebelião da última terça-feira dois revólveres foram encontrados no local. Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários de Pernambuco, João Carvalho, as duas armas estavam escondidas em um buraco perto do pavilhão B da unidade prisional.

Além das duas armas de fogo, as munições também foram encontradas durante a revista na penitenciária.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

NOTÍCIA DO LEIA JÁ: 'Rebeliões como essas são previsíveis', denuncia Sindicato

 Sindasp-PE garante que armas entram nos presídios por cima dos muros do complexo

Victor Soares/LeiaJáImagens
Victor Soares/LeiaJáImagens
O Sindicato dos Agentes e Servidores no Sistema Penitenciário do Estado de Pernambuco (Sindasp-PE) se pronunciou sobre a rebelião ocorrida no Complexo Prisional do Curado, nesta segunda-feira (19). Por meio de nota, afirmou que “rebeliões como essas são previsíveis, podendo acontecer outras vezes pela omissão do Estado em garantir a Ordem e a Segurança no Sistema Penitenciário”.
O Sindasp-PE denunciou o déficit de pessoal de 4.700 agentes penitenciários, péssimas instalações, falta de condições de trabalho e a morosidade no julgamento dos processos dos apenados – situação reivindicada pelos detentos no protesto de ontem no Complexo do Curado.
“Novamente denunciamos que armas e outros ilícitos estão entrando nos presídios por cima dos muros do complexo, visto que, em média, 60% das guaritas continuam desativadas”, relatou o Sindasp-PE.
Na nota, o órgão também lamentou a morte do sargento da Polícia Militar Carlos Silveira do Carmo, morto durante a rebelião. “Esta tragédia, como muitas outras, revela o total descaso com o  Sistema Penitenciário em Pernambuco, que merece ser revisto com urgência e presteza”, afirmou o Sindicato.
Confíra a nota na íntegra:
"O Sindicato dos Agentes e Servidores no Sistema Penitenciário do Estado de Pernambuco (Sindasp-Pe) se pronuncia acerca da rebelião ocorrida nas Unidades do Complexo do Curado nesta segunda-feira, 19 de janeiro: Lamentamos profundamente a morte de mais um irmão, policial militar nos serviços da guarda externa, que tombou no exercício de sua função. Para o Sindasp-PE, esta tragédia, como muitas outras, revela o total apagão do Sistema Penitenciário em Pernambuco, que merece ser revisto com urgência e presteza.
Denunciamos um déficit de pessoal de 4.700 Agentes Penitenciários, péssimas instalações, falta de condições de trabalho e a morosidade no julgamento dos processos dos apenados, principalmente, pela falta de Agentes Penitenciários para as apresentações judiciais e a falta de defensores públicos. Infelizmente, rebeliões como essas são previsíveis, podendo acontecer outras vezes pela omissão do Estado em garantir a Ordem e a Segurança no Sistema Penitenciário.

Novamente denunciamos que armas e outros ilícitos estão entrando nos presídios por cima dos muros do complexo, visto que, em média, 60% das guaritas continuam desativadas. O Sistema Penitenciário tem que ser tratado com outros olhos para garantir a Segurança Pública e a ressocialização do preso."

NOTÍCIA DA FOLHA DE PERNAMBUCO: SINDASP EM DEFESA DA CATEGORIA


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

DIRETORIA DO SINDASP PRESENTE NO COMPLEXO CURADO

A Diretoria do SINDASP-PE esteve presente na Presídio Frei de Bozzano, hoje a tarde prestando apoio a categoria .





SINDASP NA TV JORNAL

21/01/2015 14:43
Mais um dia de tumulto e rebelião no complexo prisional do curado. O batalhão de choque da policia militar precisou entrar na unidade. Nossa equipe de reportagem flagrou o confronto entre os policias e os detentos. Muitos tiros e bombas foram disparadas. Os presos responderam com pedras.

Rebelião em presídio de Pernambuco causa três mortes

Três pessoas morreram em dois dias de rebelião no Complexo Prisional do Curado, no Recife. No caso mais chocante, Mario Antônio da Silva, de 52 anos, foi decapitado por outros detentos. Na segunda-feira, o primeiro-sargento da Polícia Militar, Carlos Silveira do Carmo, 44, e o detento Edvaldo Barros da Silva Filho, 34, foram mortos baleados. Outros 29 presos se feriram.

Segundo o secretário de Justiça de Pernambuco, Pedro Eurico, os presidiários reivindicam mais rapidez nas decisões judiciais, melhor tratamento às famílias em dias de visita e melhorias nas condições de habitação. Os aprisionados também pedem a substituição do juiz Luiz Rocha, titular da 1ª Vara de Execuções Penais da Capital. Eles argumentam que alguns presos já poderiam estar em regime semiaberto, mas os processos demoram.

Segundo o secretário, uma comissão de detidos seria recebida pelo magistrado. O protesto começou pacífico na segunda-feira, porém se tornou violento à tarde, quando houve as duas mortes. A PM foi chamada e, segundo o secretário de Justiça, permaneceu no local até as 23 horas.

No dia seguinte, porém, os amotinados iniciaram um novo protesto: “Quando houve a decapitação, a PM resolveu entrar novamente para garantir a segurança”, afirmou o secretário.

Em nota, a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) lamentou as mortes. Declarou que o Estado anunciou neste mês medidas para desafogar o sistema prisional, como a entrega de três novos presídios e a ampliação de outros dois, incluindo o do Curado. Atualmente, o Estado contabiliza 12 mil vagas para 32 mil presos.
 
Ilha de Itamaracá
Também ontem, outra rebelião ocorreu na Penitenciária Professor Barreto Campelo, na ilha de Itamaracá, na Região Metropolitana do Recife. A situação já foi pacificada, de acordo com a Seres. As reivindicações foram as mesmas dos presos do Curado.

“Essas rebeliões geram um efeito cascata. É necessário ter um efetivo maior (de agentes penitenciários) pra fazer as contenções dentro dos presídios”, afirmou o presidente do Sindicato dos Agentes e Servidores no Sistema Penitenciário de Pernambuco (Sindasp-PE), João Carvalho.

Segundo ele, Pernambuco precisa de 4.700 agentes para atingir a proporção considerada ideal, de um profissional para cada cinco presos. (da agência Folhapress)
Fonte: 

Silvio Costa Filho rebate nota governista: "dificuldade de conviver com o contraditório"

O deputado estadual e líder da bancada da oposição na Assembleia Legislativa, Silvio Costa Filho (PTB) rebateu o líder do governo Waldemar Borges (PSB) que havia acusado a oposição de querer utilizar as mortes ocorridas na rebelião do Complexo Prisional do Curado como palanque.
Em resposta, o petebista afirmou que a nota do líder governista revela "dificuldade de conviver com o contraditório" e que a oposição não vai ficar calada diantos dos "gravissímos fatos decorrentes da falência" do sistema prisional e reiterou que o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, será convocado para uma audiência pública para dar explicações sobre o "caos e abandono nos presídios do nosso estado".
Leia abaixo a nota na íntegra
Ao líder do Governo
O deputado Waldemar Borges parece desconhecer o papel da oposição.
Em uma nota que não disfarça a dificuldade de conviver com o contraditório, ele pretende fazer entender que devemos ficar calados diante dos gravíssimos fatos decorrentes da falência no nosso sistema prisional e que têm envergonhado o Estado de Pernambuco.
Cumprindo o seu papel, que é o de cobrar medidas efetivas do Governo do Estado para solucionar o problema, a oposição expressa um desejo que, tenho certeza, é o do conjunto da população de nosso Estado.
Entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PE), a Associação de Praças dos Policiais e Bombeiros Militares de Pernambuco (ASPRA-PE), o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) e o Sindicato dos Agentes e Servidores no Sistema Penitenciário de Pernambuco (Sindasp-PE), também têm levantado a voz para denunciar a ausência de medidas por parte do Governo do Estado para estancar esta violência.
É o caso de se perguntar: estas entidades estariam também "pegando carona" na desgraça alheia? E a imprensa pernambucana, que tem noticiado diariamente a escalada da violência e o completo desmantelo de nosso sistema carcerário, também estaria se valendo deste expediente?
A oposição de Pernambuco reforça que o tema merece toda a atenção e o devido tratamento, por isto repete que, usando de suas prerrogativas constitucionais irá convocar o secretário estadual de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, para uma audiência pública, logo após o recesso parlamentar, em fevereiro, para que o Governo do Estado possa explicar a situação de caos e abandono nos presídios de nosso Estado.
Silvio Costa Filho
Bancada de Oposição de Pernambuco

CAOS NA SEGURANÇA É PRIMEIRA CRISE DE CÂMARA

:
A rebelião no sistema prisional de Pernambuco que entra em seu terceiro dia consecutivo não expôs apenas a falência do sistema carcerário estadual, mas também coloca o governador Paulo Câmara (PSB) diante da primeira crise política e social do seu mandato, que completa 21 dias nesta quarta-feira; além das mortes de dois detentos – um deles decapitado – e de um sargento da PM, os policiais militares realizam, nesta tarde, uma assembleia que poderá resultar em uma nova greve da corporação às vésperas do Carnaval

Paulo Emílio, Pernambuco 247 - A rebelião no sistema prisional de Pernambuco que entra em seu terceiro dia consecutivo não expôs apenas a falência do sistema carcerário estadual, mas também coloca o governador Paulo Câmara (PSB) diante da primeira crise do seu mandato, que completa 21 dias nesta quarta-feira. Além das mortes de dois detentos – um deles decapitado por outros presidiários – e de um sargento da Polícia Militar, os policiais militares realizam, na tarde desta quarta-feira uma assembleia que poderá resultar em uma nova greve da corporação às vésperas do Carnaval. A despeito dos resultados do programa Pacto pela Vida, a segurança pública ameaça ser o calo da atual gestão.
A crise não começou agora. Em 2014, tanto presos como policiais expuseram suas queixas como de praxe. De um lado, os detentos promoveram motins e tumultos contra as péssimas condições carcerárias, resultando em mortes de pessoas que, em tese, estariam sob os cuidados do Estado. Do outro lado, policiais e agentes penitenciários reclamando do déficit de pessoal, falta de equipamentos e reivindicando melhorias salariais e das condições de trabalho. A situação que já vinha se acumulando de anos anteriores, acabou resultando em um greve por parte da PM. Nos dias seguintes à deflagração da paralisação, uma onda de saques e violência tomou conta do Estado.
Na época, Paulo Câmara acompanhou a situação como candidato ao Governo do Estado, mas anteriormente ele acompanhou a situação como secretário da Fazenda. A crise anunciada, porém, começou a ganhar corpo quando o secretário executivo de Ressocialização, Humberto Inojosa, pediu exoneração do cargo após passar apenas três meses na função, na gestão do então governador João Lyra (PSB).
Poucos dias depois, imagens veiculadas pela televisão mostraram detentos armados com facões e falando ao celular e realizando festas sem nenhum problema nas dependências carcerárias do Complexo Prisional do Curado, o maior do Estado, localizado na Zona Oeste do Recife. Somente ali, as três unidades do presídio possuem; juntas, 2,3 mil vagas. O número de presos, contudo, chega a 6,9 mil.
Na segunda-feira, quando a primeira rebelião estourou, apenas seis agentes penitenciários, trabalhavam no local. A segurança é realizada por PMs, mas em número considerado insuficiente, já que muitas das guaritas estão sem vigilância. A situação, inclusive, já havia sido alvo de uma série de recomendações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), mas pouco foi feito para aliviar a pressão sobre o sistema carcerário.
A deflagração do motim também expôs a falta de informações dentro do próprio governo. O atual secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, disse não ter conhecimento de onde andam os 85 pares de antenas bloqueadoras de celulares que teriam sido adquiridos no ano passado ao custo de R$ 1,7 milhão, conforme anunciado na época pelo Governo do Estado.
O Sindicato dos Agentes Penitenciários de Pernambuco (Sindasp), também denuncia que os equipamentos de raios-x, voltados para evitar a revista vexatória de parentes dos detentos, também não foram instalados. O déficit de agentes ara atender às necessidades estaduais, segundo o sindicato, chega a 4,7 mil homens.
O sistema carcerário de Pernambuco é o mais superlotado do país em termos proporcionais. Ao todo, são cerca de 31 mil detentos para 10 mil vagas. O Estado registra, ainda, cerca de 100 mil mandados de prisão em aberto.
Diante da crise, o governo prometeu algumas medidas para melhorar as condições do sistema prisional, como a contratação imediata de 132 agentes de segurança penitenciária já aprovados em concurso, além da entrega de novas unidades prisionais como as de Tacaimbó. Santa Cruz do Capibaribe e Araçoiaba.
Também foi prometida a contratação de advogados para atender a uma das reinvindicações imediatas exigidas pelos detentos rebelados: agilizar o andamento dos processos, especialmente os que tratam de progressão das penas que estariam represados pela Justiça.
A construção de novas unidades também é um desafio para o governo. A construção da unidade de Itaquitinga encontra-se paralisada por problemas contratuais. Seria ali que os presos que hoje cumprindo pena na Penitenciária Barreto Campelo, em Itamaracá, na Região Metropolitana do Recife, seriam transferidos.
O secretário de Justiça, Pedro Eurico, disse em reserva que a transferência e a consequente desativação do presídio seria apenas transferir o problema de um lugar para outro, já que não seriam criadas novas vagas. Questionado sobre o assunto, ele recuou do posicionamento anterior.
Desde que a crise nos presídios estourou, Paulo Câmara cancelou suas agendas públicas. O único momento em que apareceu foi durante o velório do PM morto o confronto da segunda-feira. Desde a segunda-feira, ele tem realizado uma série de reuniões para monitorar e enfrentar o problema antes que este fuja do controle, afinal ninguém quer que uma tragédia como a registrada no complexo de Pedrinhas (MA) ocorra em seu estado.
Agora, a situação tende a ficar ainda mais complexa. Os policiais militares, liderados pelo cabo Joel da Harpa, ameaçam cruzar os braços caso o governo não cumpra o acordado na última greve da categoria, realizada no ano passado.
Joel, que elegeu-se deputado estadual nas últimas eleições e está cotado para disputar a prefeitura do Cabo de Santo Agostinho – um dos maiores municípios do Estado – mandou o recado pela imprensa.

"A tropa é o povo, que é soberano. Meu desejo é que a gente se entenda, porque estamos à beira do Carnaval. Mas é a categoria que vai responder", disse. Com a crise ganhando corpo, a oposição tentou ganhar corpo criticando o governo sem oferecer nenhuma alternativa concreta para resolver o problema ou de maneira aliviar a situação.
A expectativa agora gira em torno de como Paulo Câmara irá lidar com a situação uma vez que rebeliões e greves de policiais são uma das principais dores de cabeça para qualquer governo e a atual gestão, que começou há menos de um mês não quer ser marcada por esta situação.
Os próximos dias e as decisões que serão adotadas nos próximos dias deverão dar a tônica dos rumos a serem tomados pelo governo nos próximos meses.
Fonte:

Líder da oposição cobra do Governo ações enérgicas contra rebeliões em Pernambuco

Líder da oposição cobra do Governo ações enérgicas contra rebeliões em Pernambuco

Em entrevista ao CBN Total nesta quarta-feira (21) o líder da oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco, Silvio Costa Filho (PTB) cobrou ações mais enérgicas do governador Paulo Câmara para conter as rebeliões no sistema prisional do Estado. Acompanhe:

Presidente da OAB pede afastamento o juiz da primeira vara de execuções penais

Postado em 

Depois de dois dias de rebelião no Complexo Prisional do Curado e na penitenciária Barreto Campelo, em Itamaracá, a Ordem dos Advogados do Brasil em Pernambuco (OAB-PE) decidiu pedir oficialmente o afastamento do juiz Luiz Rocha, da 1ª Vara de Execuções Penais do Recife, à Corregedoria do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) e a realização de um mutirão para agilizar o julgamento de processos. A saída do juiz também foi solicitada pelos presos do Complexo do Curado, antigo Aníbal Bruno. Em entrevista ao CBN Total, o presidente a OAB  PE, Pedro Henrique Reynaldo Alves falou sobre o assunto:

SINDASP-PE CONVOCARÁ ASSEMBLÉIA GERAL PARA DELIBERAÇÕES SOBRE QUESTÕES SALARIAS E CONDIÇÕES DE TRABALHO

A Diretoria do SINDASP-PE convocará uma Assembléia Geral para a próxima semana, para deliberações quanto as questões salariais e  a necessidade de soluções para condições de trabalho, que vem afetando os serviços no Sistema Penitenciário.

O Edital irá sair ainda esta semana para convocação da Assembléia Geral, e definirá a data da assembléia. O SINDASP-PE irá seguir os trâmites legais.

O SINDASP-PE encaminhou ofício notificando todos os órgãos do Estado que tome algumas providências quanto a soluções, colocando um prazo de 10 (dez) dias para soluções.

Alertamos que a categoria deve estar unida, e a pauta pode ser aumentada.

Porém,  quem vai decidir é a categoria, quais as deliberações e decisões vão ser tomadas.



DIRETORIA DO SINDASP PRESENTE NA REBELIÃO DA PENITENCIÁRIA BARRETO CAMPELO

A Diretoria do SINDASP-PE esteve presente na Rebelião da Penitenciária Barreto Campelo, hoje a tarde prestando apoio a categoria e participando das ações.




 





                                             Armas encontradas no Pavilhão B da Barreto Campelo


terça-feira, 20 de janeiro de 2015

NOTÍCIA NO JORNAL DO COMÉRCIO

CRIME

Promotor diz que facções criminosas articulam rebeliões nos presídios de Pernambuco

Marcellus Ugiette percebeu comunicação entre os presos da Barreto Campelo, em Itamaracá, e do Complexo Penitenciário do Curado, no Recife


Promotor Marcellus Ugiette passou toda a tarde e parte da noite desta terça-feira (20) negociando com detentos da Barreto Campelo / Foto: Sérgio Bernardo/ JC Imagem

Promotor Marcellus Ugiette passou toda a tarde e parte da noite desta terça-feira (20) negociando com detentos da Barreto Campelo

Foto: Sérgio Bernardo/ JC Imagem

Depois de passar a tarde e parte da noite desta terça-feira (20) dentro da Penitenciária Barreto Campelo, em Itamaracá, no Grande Recife, o promotor Marcellus Ugiette disse ter percebido a comunicação entre os presos da instituição e do Complexo Penitenciário do Curado, onde os detentos iniciaram uma rebelião na segunda-feira (19). Para ele, as reivindicações por mais rapidez da Justiça para analisar os casos não é a principal motivação para os motins, que seriam, na verdade, operados por organizações criminosas com atuação dentro e fora dos presídios.

"Muitos presos disseram que não queriam continuar com a rebelião, mas alguns grupos não quiseram nem iniciar o diálogo. Na realidade, percebemos que há uma atuação forte do PCC ou de outros grupos que têm contato com os detentos do Curado e também de outras penitenciárias e querem promover esse tipo de ação", avalia a promotor.

Segundo Marcellus, a maior parte dos presos dos pavilhões B e C - onde houve confronto com o Batalhão de Choque - estava perceptivelmente sob o efeito de drogas. "Eles são chamados de 'robôs', são orientados por essas facções criminosas e recebem armas e drogas. Eles ficaram ainda mais irritados quando viram que conseguimos entrar em acordo com os outros pavilhões. O que eles queriam era o confronto", ressalta.

Na avaliação do promotor, a situação chegou ao descontrole pela falta de agentes penitenciários. "A superlotação é sim um problema, mas as coisas tomaram essa proporção pela ausência do Estado dentro da instituição. Hoje (terça-feira), a situação foi contornada porque temos o reforço da Polícia Militar, mas diariamente o Estado é ausente", diz Marcellus.